Pular para o conteúdo principal

Resenha: Miss Brasil 2018

Nunca é uma tarefa fácil resenhar o concurso Miss Brasil. São tantos sentimentos concomitantes, que normalmente espero alguns dias para fazê-la. Como a noite de ontem foi de extrema tensão para mim e acredito que para muitos(a) outros (a)também, decidi resenhar o concurso com menos de 24 horas de sua finalização.
A minha expectativa era que a final do concurso fosse a melhor da "Era Be Emotion" iniciada em 2015, tamanho o nível alto de beleza das candidatas, como da produção do confinamento. A final prometia ser um espetáculo maravilhoso, mas infelizmente não foi.

Misses comemoram na final do concurso

Abertura

Uma abertura de concurso de miss sem a apresentação das candidatas falando seu nome e estado é imperdoável. Se a intenção era ganhar tempo, poderiam ter feito o vídeo que foi exibido com todas se identificando.
A atração musical de abertura - Dream Team do Passinho - tentou animar a platéia, mas essa não demonstrou muito entusiamo (pelo menos foi o que percebi pela TV). Os figurinos do estilista Wagner Kallieno, na minha opinião, estavam horrorosos e nesse momento minha expectativas positivas com o concurso já diminuíram. 

Anúncio do top 15

O top 15 não trouxe surpresas, pois todas as favoritas entraram nele. A surpresa foi a Miss Alagoas que era pouco comentada. Como eu disse na postagem sobre sua indicação que ela poderia surpreender devido a sua experiência no Miss São Paulo 2017, seu desempenho mostrou que eu estava certo.




Desfile de maiô

As imagens projetadas nas telas no palco eram muito bonitas. Os maiôs pretos sempre funcionam bem nessa etapa. Quem me surpreendeu positivamente foi a Miss São Paulo 2018 - Paula Palhares, muito segura. Amazonas, Pernambuco  e Rio Grande do Norte arrasaram e Ceará e Rio Grande do Sul mostraram que passarela não era o ponto forte delas.

Anúncio do top 10

Outro equívoco no traje das misses, que pareciam feitos de uma material plástico e com cores e estampas que não se combinavam. E os óculos escuros pioraram a situação. O top 10 seria formado pela vencedora do desafio Be Emotion de maquiagem e por mais 9 misses do top 15. A vencedora foi a Miss Goiás (que já integrava o top). Não me conformei com a desclassificação da Miss Distrito Federal. Ela não foi uma das melhores no desfile de maiô, mas se saiu bem melhor que a cearense, que nesta fase já tinha parte da torcida da platéia a seu favor. Brasileiro (a) adora uma loura mesmo!



Desfile de biquini

A cantora Fernanda Abreu estava com um figurino no mínimo estranho, mas cantou ao vivo e cumpriu bem o seu papel. O que me incomodou foi ver que alguns jurados estavam filmando a apresentação da cantora. Eles não teriam que estar prestando atenção ao desfile das candidatas?
Nesse desfile percebi que Santa Catarina melhorou muito sua passarela e Amazonas e Pernambuco arrasaram de novo. São Paulo estava muito magra e Ceará praticamente andou na passarela. A Miss Bahia também se saiu bem e a torcida do público para ela passou a ser grande.



Desfile em traje de noite

Os trajes deste ano eram infinitamente melhores que os do ano passado. Só acho que poderiam ter uma variedade de cores. Sei que a cor da marca patrocinadora é o preto e o dourado, mas foi um exagero todos os trajes pretos. Até ontem eu defendia que nessa etapa os trajes deveriam ser igualitários, mas mudei de ideia e passei a acreditar que a igualdade não funciona mais. Agora sou a favor que a miss leve seu traje com o modelo e cor de sua preferência. É claro que alguns estados tem patrocinadores poderosos, mas no geral acredito que todos conseguiriam vestir bem suas representantes.
Destaque total neste desfile para Santa Catarina, São Paulo, Rio Grande do Norte e Amazonas.

Anúncio do top 5

Santa Catarina e Amazonas não foram surpresas para mim e Alagoas continuava surpreendendo. Ceará de forma alguma merecia ter avançado e Bahia, mesmo sendo bela, na entrevista eu tinha certeza que não iria se dar bem, pois no Fala Miss ficou evidente que a oratória é seu ponto fraco.
Eu colocaria São Paulo e Pernambuco no lugar de Ceará e Bahia.




Perguntas finais

Na etapa mais tensa do concurso tanto para as misses quanto para os fãs, na minha opinião Santa Catarina e Ceará foram as melhores. Bahia foi a pior como já era de se esperar.

O "roubo" da coroa

Os estúdios Warner Bros. fizeram uma ação de divulgação do filme Oito Mulheres E Um Segredo durante o concurso.
Houve uma simulação do roubo da coroa, mas que sinceramente não convenceu. 

Anúncio do top 3

Inacreditavelmente Santa Catarina não avançou. Eu acredito que os jurados não levem em consideração a oratória das candidatas. Foi um absurdo a insegura baiana ter avançado. Nesse momento minha esperança era que Amazonas vencesse, pois Ceará apesar de ter um rosto lindo, é fraca de passarela e carisma.

Homenagem para Martha Vasconcellos - Miss Brasil e Universo 1968

Quando foi anunciado que o concurso iria homenagear Martha pelos 50 anos da conquista do título internacional eu fiquei muito feliz. Ao lado de Natália Guimarães - Miss Brasil 2007 e Raissa Santana - Miss Brasil 2016, a baiana estava visivelmente emocionada. 
Eu acho que poderiam ter mostrado mais da sua trajetória, mas a atual organização não demonstra grande interesse pelo glorioso passado do concurso, infelizmente.

Martha Vasconcellos - MB e MU 1968

Martha com Raissa Santana e Natália Guimarães

Despedida de Monalysa Alcântara - Miss Brasil 2017

Divina. Essa foi a palavra que encontrei para definir Monalysa Alcântara em seu desfile de despedida. Com um traje belíssimo e um discurso empoderado e muito importante, a piauiense deixou sua marca na história do concurso. 



Anúncio do resultado

Nunca fiquei tão tenso numa final de Miss Brasil. A possibilidade de Bahia ou Ceará ganharem iria ser, na minha opinião, desastroso, que me senti como um filipino torcendo por sua miss, no meu caso nesse momento era Amazonas.
Ainda bem que de alguma forma houve um pouco de sensatez no júri e Mayra Dias venceu. 



Apresentadores

Cássio Reis mostrou-se como sempre muito seguro e Maria Eugênia, além de belíssima, fez sua parte com carisma e descontração como sempre faz em seus trabalhos.



Júri

Aparentemente desconsiderou a etapa da entrevista e foi influenciada pelo público a levar as misses Ceará e Bahia até o final. Tenho certeza que se fosse um grupo menor e composto por pessoas que acompanham realmente o Mundo Miss, os tops seriam diferentes. Ficou evidente que trazer pessoas sem nenhum vínculo com o mundo da beleza e da moda é um equívoco.
Outra coisa que me pergunto é como funciona o júri técnico? Eles classificaram misses que conhecidamente tinham péssimas passarelas e oratórias. Isso não deveria acontecer numa seleção preliminar.

Público

Formado em sua maior parte por funcionários do grupo Polishop, já que o concurso aconteceu dentro da convenção da empresa, foi uma decepção. Para quem assistia pela TV, foi evidente que eles estavam lá por obrigação e aquela animação tão esperada das torcidas não aconteceu. As vezes se ouvia alguma vibração, mas nada comparável aos anos anteriores. 

Riocentro

O local se mostrou inadequado para o certame, pois além de ser gigantesco, a acústica comprometeu a transmissão, assim como a iluminação que não parecia suficiente. Espero que não volte a acontecer lá nos próximos anos.

Considerações finais

A esperança da maioria é que seria um concurso para entrar na história, mas o que vimos na final foi a repetição de um formato que funcionou bem em outros locais menores, mas não no Riocentro. 
A partir do top 10 percebi que não havia um critério sendo seguido pelo júri e que um desastre poderia acontecer.
A surpresa positiva foi o top 5 com Alagoas e a decepção foi a exclusão de Distrito Federal do top 10 e de Santa Catarina do top 3.
A catarinense esteve perfeita em todas as etapas e para mim é incompreensível  sua desclassificação.
Mayra Dias era a favorita de muitos e eu tinha colocado-a no top 5. Acho uma bobagem afirmarem que ela será preterida no Miss Universo 2018 por ter uma beleza semelhante a da venezuelana.
Eu acredito que sua experiência e foco irá manter o Brasil em evidência no concurso e poderá nos trazer a tão sonhada 3ª coroa. 
Eu, como sempre, sou Brasil no Miss Universo!

Mayra Dias com a MB 2017 Monalysa Alcântara


Misses comemoram a vitória da amazonense


Comentários

  1. Sensato, como sempre em suas observações, Nelson. Criei uma certa expectativa em torno da homenagem que disseram que haveria a Martha Vasconcellos, que infelizmente, vimos que não teve. Nem um buquê de flores, nem a história em torno da vida dela foi contada ou mostrada. Perderam a oportunidade de fazer bonito. No mais, parabéns pela postagem.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário. Obrigado!

Top 5 de acessos no mês

Nota de falecimento: Rejane Vieira da Costa (Goulart) - Miss Brasil 1972

Hoje o Mundo Miss está de luto. Infelizmente pela manhã recebi, através do grupo do Voy Miss Brasil On Board no Facebook, a notícia do falecimento da MISS BRASIL 1972 - Rejane Vieira (Goulart era seu sobrenome artístico). Confesso que relutei em acreditar que uma das minhas misses  Brasil preferidas tinha partido tão cedo (59 anos) e resolvi esperar uma confirmação oficial para então escrever um post, que veio pelo site oficial do MISS BRASIL. O motivo do falecimento foi um AVC (Acidente Vascular Cerebral) ocorrido durante o período de recuperação de uma cirurgia feita em decorrência de uma trombose. Rejane Vieira era uma unanimidade no Mundo Miss no Brasil, uma das misses mais queridas pela sua impactante beleza e simpatia com os fãs. No MISS UNIVERSO 1972 ela conquistou o 2° lugar, e não vou afirmar que foi injusto pois a australiana Kerry Wells também era uma lindíssima.  A gaúcha  atuou como atriz e participou de algumas novelas de sucesso como Ti Ti Ti (1985), Man

Lúcia Alexandrino - Miss Brasil Beleza Internacional 1969

Em 1969, o estado de São Paulo elegeu Maria Lúcia Alexandrino dos Santos, como sua representante no Miss Brasil. Lúcia Alexandrino, como ficou conhecida, chegou como favorita ao certame nacional ao lado da catarinense Vera Fischer. Traje típico no MB Seu desfile em traje de noite foi marcante, com destaque na mídia da época. Conquistou o 2º lugar e o direito de representar o país no Miss Beleza Internacional em Tóquio - Japão. A vencedora foi a maravilhosa Vera Fischer. Desfile em traje de noite no MB A belíssima paulista tinha uma missão difícil no certame internacional, tentar o bicampeonato para o Brasil, pois no ano anterior Maria da Glória Carvalho havia vencido o concurso. Classificou-se no top 15 e a vencedora foi Valerie Susan Holmes da Grã Bretanha. Às vésperas do MBI Biografia* Filha de Conceição Alexandrino Santos, Maria Lúcia nasceu no interior do Estado de São Paulo, no município de Lins. Foi namorada do escritor Mário Prata quando encenou a novela Estúpido Cupido. Casou-

Elizabeth Ferreira da Silva - Miss Brasil Beleza Internacional 1988

 O histórico "Miss Brasil da Ilha Porchat" em 1988 foi vencido pela representante de São Paulo - Elizabeth Ferreira da Silva.  Realizado no município litorâneo de São Vicente, o concurso era muito badalado e recebia grande atenção da imprensa. Valorizava-se muito a beleza física da candidatas, que eram coroadas de biquíni. No concurso Miss International 1988 a brasileira não se classificou no top 15, mas ganhou o prêmio de melhor traje típico.  Elizabeth Ferreira da Silva exemplifica o tipo de beleza valorizada pelos concursos no Brasil naquela década. Fonte: Wikipédia Missmemorabilia Pwiki I am the miss

Ana Paula Ottani - Miss Brasil Beleza Internacional 1989

 Em 1989 o estado de São Paulo conquistou o bicampeonato no Miss Brasil Beleza Internacional com a bela Ana Paula Ottani. O concurso foi  realizado na lendária Ilha Porchat, no município de São Vicente, litoral paulista. No Miss Beleza Internacional 1989, realizado em Kanazawa - Japão, a brasileira não obteve classificação e a vencedora foi a representante da Alemanha - Iris Klein. Resultado do concurso nacional* Estado Candidata P   São Paulo Ana Paula Ottani   Acre Débora Barth   Mato Grosso Adele Martins *Wikipédia Obs: a foto foi copiada do blog Rainhas da Beleza.

A Miss mais bela do ano de 1954 - Antigone Costanda

É do nordeste do continente africano a miss mais bela do ano de 1954. A egípcia Antigone Costanda venceu o Miss Mundo 1954 realizado em Londres no Lyceum Ballroom e contou com a participação de 18 candidatas. Até o presente é o único título conquistado pelo Egito no concurso. Acho ela muito bonita e sua vitória sinalizou que o concurso estava de portas abertas para belezas do mundo inteiro. No Miss Universo 1954, a estadunidense Miriam Stevenson saiu vitoriosa, ficando em 2º lugar a majestosa Martha Rocha - Miss Brasil 1954. Se a brasileira tivesse vencido, com certeza este post teria outra vencedora. Antigone Costanda - Miss Mundo 1954 Concorrente: Miriam Stevenson - Miss Universo 1954