Pular para o conteúdo principal

Global Beauties elege o Miss Grand International como o melhor concurso de 2017

Pré-atividades excelentes e uma final empolgante determinaram a vitória do concurso

Fonte: Global Beauties


Nos seus 5 anos de existência, o concurso Miss Grand International foi se fortalecendo e a edição de 2017 do concurso no Vietnã foi um evento espetacular. Shows glamourosos nas preliminares e na noite final, muitas atividades, o melhor tratamento possível para as misses que competiram no concurso, um processo de seleção justo e o uso maciço das mídias sociais ajudaram ao Miss Grand International a garantir o prêmio máximo do Global Beauties para a temporada de 2017. Embora ainda haja itens para melhorias, como aspectos técnicos da transmissão da final, o consenso foi que o Miss Grand International deveria ser premiado pelo crescimento obtido em tão pouco tempo.



O concurso pode não ter o alcance de mídia do Miss Universo e do Miss Mundo, e os organizadores deixam bem claro que a televisão não é seu principal objetivo. Em vez disso, o concurso se promove na internet, não a considerando como algo apenas do futuro, mas sim do presente, e envolve realmente o fãs com centenas de webcasts ao vivo, oferecendo grande entretenimento para os seguidores do certame. O concurso foi consistente desde o 1º dia até a final e merece o prêmio de "Melhor concurso do ano de 2017"!






Podemos afirmar que em 2016 a escolha de Las Vegas foi arriscada e poderia ter colocado sua credibilidade em jogo (embora tenha sido uma escolha ousada!), mas em 2017 voltou ao que era em 2013, 2014 e 2015, e foi ainda melhor! Até onde pode chegar o Miss Grand International no futuro? Com a paixão que vemos dos organizadores pelo concurso, o céu é o limite!





 Observações sobre os outros 4 concursos do Grand Slam:

O Miss Universo demonstrou uma excelente final, a melhor entre os 5 concursos do Grand Slam, depois de um longo período de tempo. No entanto, os eventos preliminares foram extremamente decepcionantes, não só para os fãs, mas também para as candidatas e diretores nacionais que tivemos contato. Em 2016, nas Filipinas, foi o contrário: eventos preliminares sensacionais e uma final péssima. Esperamos uma combinação de ambos em 2018!

O Miss Mundo melhorou muito seu evento final em 2016, tanto que o Global Beauties o elegeu como "O concurso do Ano de 2016". Foi um concurso melhor, as semifinalistas desfilaram na passarela, foram entrevistadas e todos conseguiram entender cada etapa. Parecia o início de uma nova era. No entanto, apesar de em 2017 as candidatas ao concurso terem participado de eventos preliminares excelentes ( pela primeira vez em anos), o novo Desafio Head to Head foi brilhante (a melhor inovação do ano no mundo dos concursos), claramente deu-se um passo atrás se comparando a 2016. Depois de um bom número de abertura, as competições no palco desapareceram, formaram-se muitos "tops", sem tempo para apreciar ou de alguma forma julgar as candidatas. O roteiro de 2016, com o palco e as luzes de 2017, seria uma combinação perfeita. Nossos dedos estão cruzados por essa mágica em 2018!

O Miss Supranational teve o palco mais extraordinário de todos, ótimas músicas, danças e coreografias divertidas. Mas precisa melhorar o número de abertura, o roteiro e as atividades pré-concurso. O nível das candidatas, que sempre foi alto desde 2009, caiu claramente em 2017. Esperamos um concurso melhor em 2018!

O Miss International é tradicional e antiquado. As atividades de preliminares são incríveis e isso deve ser mantido. Mas precisa renovar a noite final. Qual é o objetivo em eleger uma Miss Filipinas (2016) e uma Miss Indonésia (2017) que mesmo não sendo as mais cotadas atraíram o público, e não realizar uma final melhor? Os organizadores devem refletir sobre isso. Eles tem uma marca forte, tradição, potencial, mas precisam acordar e perceber que estamos quase em 2020, não em 1965, onde a produção atual parece pertencer.

Parabéns para o Miss Grand International, vencedor do ano de 2017.



Comentários

Top 5 de acessos no mês

Nota de falecimento: Rejane Vieira da Costa (Goulart) - Miss Brasil 1972

Hoje o Mundo Miss está de luto. Infelizmente pela manhã recebi, através do grupo do Voy Miss Brasil On Board no Facebook, a notícia do falecimento da MISS BRASIL 1972 - Rejane Vieira (Goulart era seu sobrenome artístico). Confesso que relutei em acreditar que uma das minhas misses  Brasil preferidas tinha partido tão cedo (59 anos) e resolvi esperar uma confirmação oficial para então escrever um post, que veio pelo site oficial do MISS BRASIL. O motivo do falecimento foi um AVC (Acidente Vascular Cerebral) ocorrido durante o período de recuperação de uma cirurgia feita em decorrência de uma trombose. Rejane Vieira era uma unanimidade no Mundo Miss no Brasil, uma das misses mais queridas pela sua impactante beleza e simpatia com os fãs. No MISS UNIVERSO 1972 ela conquistou o 2° lugar, e não vou afirmar que foi injusto pois a australiana Kerry Wells também era uma lindíssima.  A gaúcha  atuou como atriz e participou de algumas novelas de sucesso como Ti Ti Ti (1985), Man

Ana Paula Ottani - Miss Brasil Beleza Internacional 1989

 Em 1989 o estado de São Paulo conquistou o bicampeonato no Miss Brasil Beleza Internacional com a bela Ana Paula Ottani. O concurso foi  realizado na lendária Ilha Porchat, no município de São Vicente, litoral paulista. No Miss Beleza Internacional 1989, realizado em Kanazawa - Japão, a brasileira não obteve classificação e a vencedora foi a representante da Alemanha - Iris Klein. Resultado do concurso nacional* Estado Candidata P   São Paulo Ana Paula Ottani   Acre Débora Barth   Mato Grosso Adele Martins *Wikipédia Obs: a foto foi copiada do blog Rainhas da Beleza.

A Miss mais bela do ano de 1961 - Marlene Schmidt

 O ano de 1961 é um dos mais fortes em relação a beleza das vencedoras do Grand-Slam, mas a beleza atemporal da representante da Alemanha no Miss Universo a faz a melhor entre as três. O único título do país no Miss Universo foi conquistado em 15 de julho no Miami Beach Auditorium na popular Miami - Flórida - EUA. Marlene Schmidt - Miss Universo 1961 Biografia*: Schmidt, uma refugiada na Alemanha Ocidental depois de fugir da nativa Alemanha Oriental, loira, de olhos negros, 1, 73 m e 24 anos, era uma engenheira elétrica que trabalhava numa fábrica de rádios por US$54 dólares semanais.  Entrou no concurso estadual de beleza de Baden-Württemberg motivada pelo carro oferecido como prêmio máximo, venceu e além do carro conquistou o direito de representar a região no Miss Alemanha, realizado em Baden-Baden. Marlene venceu o concurso nacional, onde foi considerada uma "figura de Botticelli", e foi para os Estados Unidos representar o país no Miss Universo. Competindo com outras 47

Lúcia Alexandrino - Miss Brasil Beleza Internacional 1969

Em 1969, o estado de São Paulo elegeu Maria Lúcia Alexandrino dos Santos, como sua representante no Miss Brasil. Lúcia Alexandrino, como ficou conhecida, chegou como favorita ao certame nacional ao lado da catarinense Vera Fischer. Traje típico no MB Seu desfile em traje de noite foi marcante, com destaque na mídia da época. Conquistou o 2º lugar e o direito de representar o país no Miss Beleza Internacional em Tóquio - Japão. A vencedora foi a maravilhosa Vera Fischer. Desfile em traje de noite no MB A belíssima paulista tinha uma missão difícil no certame internacional, tentar o bicampeonato para o Brasil, pois no ano anterior Maria da Glória Carvalho havia vencido o concurso. Classificou-se no top 15 e a vencedora foi Valerie Susan Holmes da Grã Bretanha. Às vésperas do MBI Biografia* Filha de Conceição Alexandrino Santos, Maria Lúcia nasceu no interior do Estado de São Paulo, no município de Lins. Foi namorada do escritor Mário Prata quando encenou a novela Estúpido Cupido. Casou-

Elizabeth Ferreira da Silva - Miss Brasil Beleza Internacional 1988

 O histórico "Miss Brasil da Ilha Porchat" em 1988 foi vencido pela representante de São Paulo - Elizabeth Ferreira da Silva.  Realizado no município litorâneo de São Vicente, o concurso era muito badalado e recebia grande atenção da imprensa. Valorizava-se muito a beleza física da candidatas, que eram coroadas de biquíni. No concurso Miss International 1988 a brasileira não se classificou no top 15, mas ganhou o prêmio de melhor traje típico.  Elizabeth Ferreira da Silva exemplifica o tipo de beleza valorizada pelos concursos no Brasil naquela década. Fonte: Wikipédia Missmemorabilia Pwiki I am the miss