Pular para o conteúdo principal

Resenha: Concurso Nacional de Beleza 2017

O Concurso Nacional de Beleza 2017 foi realizado na noite do último sábado (12), no Hotel do Bosque, em Angra dos Reis-RJ.
A vencedora foi a representante do estado do Rio de Janeiro - Gabrielle Vilela - que irá representar o Brasil no Miss Mundo 2017, que será realizado entre os meses de outubro e novembro em Singapura e na China.
Aí estão minhas impressões:

1º Nenhum concurso dever ter a duração de 3 horas, pois é muito cansativo de se assistir (por mais que eu ame os concursos de miss).

2º Realizar o concurso de miss com o de mister não é legal, principalmente para quem não gosta dos concursos masculinos (eu não consigo gostar).

3º O espaço montado para final não é justo com a proposta e importância do concurso. Como fora comentado nos grupos "tem concurso estadual com melhor estrutura".
Eu entendo que por questões de logística realizar o concurso onde as misses estão hospedadas seja menos complicado, mas como show de TV não fica legal.

4º O número exagerado de candidatas (42) é desnecessário, pois mais da metade não tinha condições de participar de um concurso nacional. Essa insistência em ilhas e regiões não faz sentido.

5º Eu acho excelente a divulgação da pontuação obtida com as provas classificatórias, mas chamar os tops em ordem alfabética tirou toda a emoção esperada num concurso de miss. Nem o enfadonho Miss Mundo faz isso.

6º As atrações musicais Renata Sena e Patrício Arellano foram boas, mas num palco tão pequeno tiveram suas apresentações prejudicadas.

7º Uma das partes mais relevantes do concurso é a divulgação da vencedora (este ano foram duas) do projeto Beleza pelo Bem. É emocionante assistir os vídeos e saber que a função de uma miss transcende as passarelas.

8º Apesar do exagerado número de candidatas, o qualificado (em parte) grupo de jurados conseguiu selecionar as melhores e o top final foi coerente. Eu trocaria a Miss Grande São Paulo, que foi classificada direto no top 6 por ter vencido o desafio "Live Me" , pela Miss Espírito Santo. Eu acho injusto essas premiações que colocam nos tops finais candidatas que vencem desafios de patrocinadores.

9º A vencedora não me chamou a minha atenção durante o confinamento mas na final eu a percebi devido a grande torcida, já que ela é de Angra dos Reis.
Revendo o concurso, enxerguei uma bela miss, muito técnica e profissional e que poderá se destacar no Miss Mundo 2017. 
Eu achei linda a emoção da vencedora - Gabrielle Vilela ao ser coroada e a música do Miss Mundo sendo tocada me emocionou muito. Eu adoro essa música!



A emoção de Gabrielle Villela - MBM 2015

10º Torço para as finalistas Bárbara Reis ( 2º - MT) e Júlia Horta ( 3º - ZMM) participem dos concursos estaduais em 2018 da versão universo, pois são lindas e preparadas.


O top 3 - Zona da Mata Mineira (3}, Rio de Janeiro (1º) e Mato Grosso (2º)

11º Os apresentadores e comentaristas estavam muito bem, com destaque para a lindíssima Lívia Nepomuceno.

12º A convidada especial Suzy Rêgo - atriz e Miss Pernambuco 1984 abrilhantou o evento com sua beleza e simpatia.

13º A nova coroa do concurso, criada e confeccionada pelo designer Tiago Seixas é linda e bem melhor que as duas anteriores. Parabéns!

14º A despedida de Beatrice Fontoura - Miss Brasil Mundo 2016 - foi emocionante e com certeza ela entrou para o grupo das misses inesquecíveis.

Há alguns elementos no Concurso Nacional de Beleza que são únicos: o engajamento social e a busca de uma "beleza integral" são exemplos que deveriam ser considerados por todos os concursos nacionais.
O formato da final este ano não me agradou e acredito que uma reformulação seja necessária.
Eu torço para que o empresário Henrique Fontes consiga em breve uma parceria com alguma rede de TV grande, para que a produção da final seja um belo show também. 
Parabéns para a organização pelo empenho em realizar o concurso, mas continuo afirmando que o trabalho seria bem menor se fossem somente 27 candidatas como acontece no Miss Brasil.

Comentários

Top 5 de acessos no mês

Nota de falecimento: Rejane Vieira da Costa (Goulart) - Miss Brasil 1972

Hoje o Mundo Miss está de luto. Infelizmente pela manhã recebi, através do grupo do Voy Miss Brasil On Board no Facebook, a notícia do falecimento da MISS BRASIL 1972 - Rejane Vieira (Goulart era seu sobrenome artístico). Confesso que relutei em acreditar que uma das minhas misses  Brasil preferidas tinha partido tão cedo (59 anos) e resolvi esperar uma confirmação oficial para então escrever um post, que veio pelo site oficial do MISS BRASIL. O motivo do falecimento foi um AVC (Acidente Vascular Cerebral) ocorrido durante o período de recuperação de uma cirurgia feita em decorrência de uma trombose. Rejane Vieira era uma unanimidade no Mundo Miss no Brasil, uma das misses mais queridas pela sua impactante beleza e simpatia com os fãs. No MISS UNIVERSO 1972 ela conquistou o 2° lugar, e não vou afirmar que foi injusto pois a australiana Kerry Wells também era uma lindíssima.  A gaúcha  atuou como atriz e participou de algumas novelas de sucesso como Ti Ti Ti (1985), Man

A Miss mais bela do ano de 1961 - Marlene Schmidt

 O ano de 1961 é um dos mais fortes em relação a beleza das vencedoras do Grand-Slam, mas a beleza atemporal da representante da Alemanha no Miss Universo a faz a melhor entre as três. O único título do país no Miss Universo foi conquistado em 15 de julho no Miami Beach Auditorium na popular Miami - Flórida - EUA. Marlene Schmidt - Miss Universo 1961 Biografia*: Schmidt, uma refugiada na Alemanha Ocidental depois de fugir da nativa Alemanha Oriental, loira, de olhos negros, 1, 73 m e 24 anos, era uma engenheira elétrica que trabalhava numa fábrica de rádios por US$54 dólares semanais.  Entrou no concurso estadual de beleza de Baden-Württemberg motivada pelo carro oferecido como prêmio máximo, venceu e além do carro conquistou o direito de representar a região no Miss Alemanha, realizado em Baden-Baden. Marlene venceu o concurso nacional, onde foi considerada uma "figura de Botticelli", e foi para os Estados Unidos representar o país no Miss Universo. Competindo com outras 47

Mexicana Andrea Meza vence a 69ª edição do concurso Miss Universo

 O México conquistou sua 3ª coroa de Miss Universo na noite do último domingo com a bela Andrea Meza. Considerada uma das favoritas por missólogos de diversos países, a eleição da mexicana não agradou os fãs do concurso que acusam a emissora de TV Telemundo de "comprar" o título, já que a miss não foi considerada a melhor na pergunta final. Andrea Meza - Miss Universo 2020 Os fãs consideram que a Miss Brasil 2020, Julia Gama, foi a melhor e merecia o título. Julia Gama ficou em 2º lugar no concurso Eu ainda não revi o concurso com o olhar de missólogo, mas acredito que se há tanto descontentamento, é porque realmente o resultado não foi justo. Durante a semana a imprensa especializada mundial noticiou que a mexicana pudesse ser casada (o que é proibido pela organização do Miss Universo) e que estivesse grávida. Andrea Meza na foto promocional que causou a polêmica  Nada se comprovou, pois foi apurado a imagem que circula na internet é de uma campanha promocional de turismo de

Fernanda Bôscolo - Miss Brasil Beleza Internacional 1980

 O 2º lugar no Miss Brasil 1980 deu a oportunidade da lindíssima paulista Fernanda Bôscolo de ser a Miss Brasil Beleza Internacional 1980. Fernanda Bôscolo no MB 1980 (divulgação) O concurso foi realizado no dia 04 de novembro em Tóquio, no Japão. Apesar de  ter uma beleza impactante, a paulista não foi classificada entre as três finalistas, numa edição muito estranha, que sequer teve chamada para semifinalistas. Biografia* Apesar de nascida na capital, Fernanda mudou-se para Santos aos 6 anos de idade, e o primeiro concurso que disputou foi aos 6 anos, o Mini Miss São Paulo, no programa de TV "Almoço com as Estrelas", competindo com mais de 500 crianças. Em 1980, antes de completar 18 anos de idade, e já morando em Santos, foi eleita Rainha das Praias Brasileiras, no Ilha Porchat Clube, e ganhou o direito de representar o país no Miss Tanga Internacional, realizado em Caracas, Venezuela. Mais de quarenta garotas ambicionavam o título, que acabou ficando em suas mãos, tendo s

Elizabeth Ferreira da Silva - Miss Brasil Beleza Internacional 1988

 O histórico "Miss Brasil da Ilha Porchat" em 1988 foi vencido pela representante de São Paulo - Elizabeth Ferreira da Silva.  Realizado no município litorâneo de São Vicente, o concurso era muito badalado e recebia grande atenção da imprensa. Valorizava-se muito a beleza física da candidatas, que eram coroadas de biquíni. No concurso Miss International 1988 a brasileira não se classificou no top 15, mas ganhou o prêmio de melhor traje típico.  Elizabeth Ferreira da Silva exemplifica o tipo de beleza valorizada pelos concursos no Brasil naquela década. Fonte: Wikipédia Missmemorabilia Pwiki I am the miss