Pular para o conteúdo principal

Resenha: Miss São Paulo 2017

Na noite do último sábado foi realizada a final do concurso Miss São Paulo 2017, que teve a representante da capital - Karen Porfírio - como vencedora.
O concurso teve uma clara inspiração na última edição do Miss Universo em várias de suas etapas e nessa resenha vou expor minhas impressões.

Abertura:
A entrada das misses pela platéia e segurando placas com palavras e frases sobre o empoderamento feminino animou os presentes, que já demostravam sua torcida na apresentação individual. O figurino deixou a desejar, mas foi um bom início.

Anúncio do top 12:
Nesse primeiro top as misses usavam maiô e uma saia transparente, algo desnecessário nesse momento, pois nele tivemos um rápida conversa das misses com o apresentador Cássio Reis sobre um fato pessoal. Entendo que em seguida iria acontecer o desfile, mas teria sido melhor manter o primeiro figurino.
Algumas exclusões como as misses Itapetininga, Jaboticabal e Jacareí me surpreenderam e ali ficou claro que era só início de um concurso que iria gerar muita polêmica.

Desfile de maiô:
Etapa desnecessária, pois teríamos o desfile de biquíni em seguida. A participação do cantor Christopher Clark foi constrangedora, para dizer o mínimo. Por favor excluam essa etapa no Miss Brasil 2017.

Anúncio do top 8:
No anúncio do top 8 as misses trajavam biquíni e tivemos intercalados ao anúncio a exibição de um vídeo individual. Eu gostei dessa etapa, pois ela foi menos dramática que a do ano passado. A surpresa foi a exclusão da miss Ribeirão Preto, uma das favoritas dos fãs do concurso. Nessa etapa comecei a simpatizar com a miss Tatuí, que demonstrou muita simpatia e carisma.

Desfile de biquíni:
Nessa etapa tivemos a apresentação da cantora Iza e podemos notar que a preocupação em ter um corpo tonificado e definido é coisa do passado (influência do Miss Universo 2016?) para as misses e o concurso. Não gostei da coreografia, pois ficar apontando o dedo indicador para as pessoas é deselegante.

Desfile em traje de noite:
O desfile mais esperado em todos os concursos de miss é a do traje de noite e este ano a expectativa era grande, pois teríamos um novo estilista responsável.
Eu gostei de alguns vestidos, mas esperava mais cor e leveza neles. Foi uma mudança positiva, mas acredito que no Miss Brasil 2017 cada miss deveria levar o seu, pois teríamos variedade de modelos e cores.
Achei a presença das misses não classificadas desnecessária e aquelas motos fora de contexto.

Anúncio do top 5:
Para mim foi uma surpresa (negativa) ver a miss Jales no top 5, mas para compensar a miss Tatuí avançou e fiquei feliz, mesmo com alguns exageros na postura. Nesse momento a torcida da platéia para a representante da capital já ficava evidente.

Perguntas finais:
Seguindo o modelo do Miss Universo, as finalistas responderam à questões sobre temas atuais ligados ao empoderamento feminino. Eu gostei das respostas, mas ainda temos muito o que melhorar nesse quesito até o Miss Universo 2017.

Desfile final:
O que foi aquilo? O momento que era para ser decisivo para os jurados beirou a vulgaridade. Podem me chamar de conservador, mas nesse desfile postura e elegância são primordiais. Foi a pior parte do concurso!

Top 3 e anúncio da vencedora:
Não entendi o avanço da miss Jales ao top 3, pois a miss Tatuí estava encantadora. Assumo que estava torcendo pela miss Laranjal Paulista, mas não posso negar que a representante da capital foi bem em todas as etapas.

Cenário e iluminação:
Eu gostei dos telões e da iluminação, mas o cenário do desfile em traje de noite foi ruim.

Jurados:
Este ano não tivemos jurados com expressão de desprezo para o concurso e todos pareciam estar curtindo estar ali.

Apresentador:
Cássio Reis mostrou que pode apresentar o concurso sozinho, pois tem elegância, carisma e não faz piadas sexistas com as misses.

Misses São Paulo:
Foi muito legal ver as misses São Paulo 2012, 2013, 2014 e 2015 como convidadas na apresentação e todas foram muito bem, já que não são apresentadoras. Destaco a beleza deslumbrante de Fernanda Leme (2014).

Miss Brasil 2016:
Raissa Santana esteve bem, linda como sempre, mas continua um pouco insegura quando tem um microfone à sua frente.

Miss São Paulo 2016:
Uma pena Sabrina de Paiva não ter tido a oportunidade de falar, pois tenho certeza que ela tem importantes considerações a fazer sobre a importância de sua conquista. Uma falha imperdoável da produção.

Trilha sonora e atrações musicais:
Eu gostei da trilha sonora e das apresentações da cantora Isa, mas como eu falei acima a apresentação do cantor Christopher Clark foi dispensável.

Considerações finais:
O concurso, na minha opinião foi bom e mostrou que a organização nacional está em sintonia com o Miss Universo, mas alguns exageros devem ser eliminados para o Miss Brasil 2017 (dancinha no desfile final nunca mais, por favor!). É nítido o esforço da organização nacional em produzir um belo e atrativo espetáculo televisivo, mas faltou equilíbrio entre a essência de um concurso de miss (beleza e elegância) e a exemplificação de novos comportamentos femininos.
Apesar da platéia e das misses (aparentemente) terem gostado do resultado final, acredito que teremos um efeito Priscila Machado (Miss Brasil 2011) caso Karen Porfírio venha a vencer o Miss Brasil 2017 (acredito ela que tenha condições pra isso), pois a quantidade de insatisfeitos com sua eleição é bem maior que os satisfeitos.
A polêmica sobre o resultado parece, por enquanto, resolvida, mas acredito que há algo nebuloso nessa história.
Torço para que no Miss Brasil 2017 tenhamos um espetáculo onde o empoderamento feminino seja enfatizado, mas que exista um diálogo com a beleza e a elegância que são dois elementos básicos de um concurso de miss.

Abertura

Chamada do top 12

Desfile de maiô

Top 8

Top 3


Desfile da Miss SP 2017 - Karen Porfiro

Resultado final*

PosiçãoMunicípio e Candidata
Vencedora
2º. Lugar
3º. Lugar
  • Jales - Iamonike Helena
Finalistas
(TOP 08)
Semifinalistas
(TOP 12)
Semifinalistas
  • Jaú - Luísa Caleffi

ColocaçãoCandidata
Miss Be Emotion 1
Miss Voto Popular
Desafio Customização


*Wikipédia


Comentários

  1. Oi Nelson, tudo bem? Sua resenha sobre o Miss São Paulo está magnífica, adorei ler. Não pude deixar de rir quando você colocou que ficar apontando o dedo indicador para as pessoas é deselegante. Minha mãe sempre falava que é falta de educação. Abraços.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário. Obrigado!

Top 5 de acessos no mês

Nota de falecimento: Rejane Vieira da Costa (Goulart) - Miss Brasil 1972

Hoje o Mundo Miss está de luto. Infelizmente pela manhã recebi, através do grupo do Voy Miss Brasil On Board no Facebook, a notícia do falecimento da MISS BRASIL 1972 - Rejane Vieira (Goulart era seu sobrenome artístico). Confesso que relutei em acreditar que uma das minhas misses  Brasil preferidas tinha partido tão cedo (59 anos) e resolvi esperar uma confirmação oficial para então escrever um post, que veio pelo site oficial do MISS BRASIL. O motivo do falecimento foi um AVC (Acidente Vascular Cerebral) ocorrido durante o período de recuperação de uma cirurgia feita em decorrência de uma trombose. Rejane Vieira era uma unanimidade no Mundo Miss no Brasil, uma das misses mais queridas pela sua impactante beleza e simpatia com os fãs. No MISS UNIVERSO 1972 ela conquistou o 2° lugar, e não vou afirmar que foi injusto pois a australiana Kerry Wells também era uma lindíssima.  A gaúcha  atuou como atriz e participou de algumas novelas de sucesso como Ti Ti Ti (1985), Man

Ana Paula Ottani - Miss Brasil Beleza Internacional 1989

 Em 1989 o estado de São Paulo conquistou o bicampeonato no Miss Brasil Beleza Internacional com a bela Ana Paula Ottani. O concurso foi  realizado na lendária Ilha Porchat, no município de São Vicente, litoral paulista. No Miss Beleza Internacional 1989, realizado em Kanazawa - Japão, a brasileira não obteve classificação e a vencedora foi a representante da Alemanha - Iris Klein. Resultado do concurso nacional* Estado Candidata P   São Paulo Ana Paula Ottani   Acre Débora Barth   Mato Grosso Adele Martins *Wikipédia Obs: a foto foi copiada do blog Rainhas da Beleza.

Lúcia Alexandrino - Miss Brasil Beleza Internacional 1969

Em 1969, o estado de São Paulo elegeu Maria Lúcia Alexandrino dos Santos, como sua representante no Miss Brasil. Lúcia Alexandrino, como ficou conhecida, chegou como favorita ao certame nacional ao lado da catarinense Vera Fischer. Traje típico no MB Seu desfile em traje de noite foi marcante, com destaque na mídia da época. Conquistou o 2º lugar e o direito de representar o país no Miss Beleza Internacional em Tóquio - Japão. A vencedora foi a maravilhosa Vera Fischer. Desfile em traje de noite no MB A belíssima paulista tinha uma missão difícil no certame internacional, tentar o bicampeonato para o Brasil, pois no ano anterior Maria da Glória Carvalho havia vencido o concurso. Classificou-se no top 15 e a vencedora foi Valerie Susan Holmes da Grã Bretanha. Às vésperas do MBI Biografia* Filha de Conceição Alexandrino Santos, Maria Lúcia nasceu no interior do Estado de São Paulo, no município de Lins. Foi namorada do escritor Mário Prata quando encenou a novela Estúpido Cupido. Casou-

Elizabeth Ferreira da Silva - Miss Brasil Beleza Internacional 1988

 O histórico "Miss Brasil da Ilha Porchat" em 1988 foi vencido pela representante de São Paulo - Elizabeth Ferreira da Silva.  Realizado no município litorâneo de São Vicente, o concurso era muito badalado e recebia grande atenção da imprensa. Valorizava-se muito a beleza física da candidatas, que eram coroadas de biquíni. No concurso Miss International 1988 a brasileira não se classificou no top 15, mas ganhou o prêmio de melhor traje típico.  Elizabeth Ferreira da Silva exemplifica o tipo de beleza valorizada pelos concursos no Brasil naquela década. Fonte: Wikipédia Missmemorabilia Pwiki I am the miss

A Miss mais bela do ano de 1961 - Marlene Schmidt

 O ano de 1961 é um dos mais fortes em relação a beleza das vencedoras do Grand-Slam, mas a beleza atemporal da representante da Alemanha no Miss Universo a faz a melhor entre as três. O único título do país no Miss Universo foi conquistado em 15 de julho no Miami Beach Auditorium na popular Miami - Flórida - EUA. Marlene Schmidt - Miss Universo 1961 Biografia*: Schmidt, uma refugiada na Alemanha Ocidental depois de fugir da nativa Alemanha Oriental, loira, de olhos negros, 1, 73 m e 24 anos, era uma engenheira elétrica que trabalhava numa fábrica de rádios por US$54 dólares semanais.  Entrou no concurso estadual de beleza de Baden-Württemberg motivada pelo carro oferecido como prêmio máximo, venceu e além do carro conquistou o direito de representar a região no Miss Alemanha, realizado em Baden-Baden. Marlene venceu o concurso nacional, onde foi considerada uma "figura de Botticelli", e foi para os Estados Unidos representar o país no Miss Universo. Competindo com outras 47