Pular para o conteúdo principal

Resenha: Miss Mundo 2016

Concurso: Miss Mundo 2016
Data: 18 de dezembro de 2016
Local: MGM Theatre
Cidade/País: Washington D.C. - Estados Unidos
Nº de candidatas: 117
Vencedora: Stephanie Del Valle - Porto Rico

O concurso Miss Mundo continua sendo o de maior relevância com seu tema Beleza com Propósito. É gratificante ver o engajamento e trabalho que a organização realiza. Ele também é o maior em participação de candidatas, sendo que em 2016 foram 117.
Eu havia lido algumas resenhas que exaltavam a dinâmica e emoção da noite final e fiquei com grande expectativa, mas após assisti-lo não fui convencido de que o concurso melhorou como show televisivo.
O concurso começou bem, com o vídeo das candidatas se apresentando, mas a divisão em três partes quebra o ritmo. Nessa parte já é possível perceber que o concurso é único, pois a maioria das misses estão com visual de princesa, deixando a sensualidade tão comum nos outros concursos de fora.
Após o vídeo de apresentação as candidatas entram no palco para uma dança muito bem coreografada, e com um figurino simples e bonito que representa as lideres de torcida dos esportes coletivos estadunidenses. Achei muito legal o efeito da bandeira dos EUA no final.
Os apresentadores Jason Cook e Megan Young - Miss Mundo 2013, foram muito bem, mas o clima de formalidade do concurso faz com que algumas brincadeiras fiquem deslocadas.
Em seguida temos os vídeos com as provas classificatórias: Beleza com Propósito, Top Model, Multimídia, Esportes e Talento. As vencedoras foram classificadas para o top 20 diretamente. 
Com quase uma hora de transmissão. ainda não temos o top 20 definido, ficando evidente que o concurso continua moroso.
As misses retornam ao palco para mais uma dança e com um figurino lamentável, pois pretinho básico não é para ser usado em concursos de miss.
Enfim o top 20 é formado como sempre com grandes surpresas e exclusões inexplicáveis (cadê a maravilhosa mexicana?).
Após a apresentação do juri temos um "desfile" das candidatas que francamente não me convenceu. Duvido que aqueles 5 segundos de cada uma no palco tenha efeito para eliminação e acredito que o top 20 está definido em ordem de classificação desde o início. O narrador até deixou escapar que a Miss Porto Rico era a favorita.
Antes do anúncio do top 10 e da escolhida pelo público, temos belas imagens das candidatas em Nova York e falas sobre a importância da ação social que o concurso realiza.
O top 10 é anunciado com as misses nos bastidores do teatro, como na década de 1980 e acho isso ruim, pois é impossível ver a reação da candidata. Cada miss chamada já respondia a uma pergunta, nesse momento algumas despontam como favoritas.
O primeiro número musical da noite é do cantor Rodrick Dixon, que tem uma bela voz, mas achei sei estilo meio deslocado do concurso. 
Temos então o anúncio do top 5, ficando evidente que o concurso não leva a beleza como fator determinante. Em seguida a pergunta final é feita às candidatas e nesse momento foi lindo ver o desejo sincero da Miss Filipinas - Catriona Gray em ser a Miss Mundo 2016. Após a pergunta final temos a apresentação da banda Morrison Brothers, que trouxe animação ao concurso.
Em seguida temos o vídeo sobre o reinado da Miss Mundo 2015 - Mireia Lalaguna e seu desfile de despedida. Não gostei muito do vestido, mas ela é linda e sua beleza compensou.
O anúncio do resultado final provoca espanto em todos, pois a filipina era a grande favorita e acabou não integrando o top 3. A canção cantada pelas misses no final sempre me emociona e acho o momento mais lindo do concurso.
Não há duvidas que a miss Filipinas era perfeita para o título, mas a porta-riquenha estava com um brilho especial e mereceu vencer.  Ela não entra para o seleto grupo de Misses Mundo maravilhosas como Rolene Strauss (2014) e Maria Julia Mantilla (2004), mas espero que ela tenha um belo reinado.
Sobre a participação da nossa linda Beatrice Fontoura: acredito que ela merecia ter integrado o top 5 no lugar da insossa Miss Indonésia, mas como não havia nenhum brasileiro no juri e sim uma porto-riquenha e uma indonésia, ficou difícil para nossa brasileira.
Eu gosto muito do concurso, apesar que como show de TV ele ainda precisa ser mais dinâmico e emocionante, mas é inegável que o Miss Mundo lidera em relevância e importância o ranking dos concursos de beleza.

Coroação

Misses cantam na final do MM 2016

Resultado final*:

ColocaçãoPaís e Candidata
Vencedora
2º. Lugar
3º. Lugar
Finalistas
(TOP 11)
Semifinalistas

(Em ordem de classificação)
(TOP 20)
Semifinalistas

(Em ordem de classificação)
  • Índia Índia - Priyadarshini Chatterjee
  • Gana Gana - Antoinette Delali
  • Japão Japão - Priyanka Yoshikawa

*Wikipédia



Comentários

Top 5 de acessos no mês

Nota de falecimento: Rejane Vieira da Costa (Goulart) - Miss Brasil 1972

Hoje o Mundo Miss está de luto. Infelizmente pela manhã recebi, através do grupo do Voy Miss Brasil On Board no Facebook, a notícia do falecimento da MISS BRASIL 1972 - Rejane Vieira (Goulart era seu sobrenome artístico). Confesso que relutei em acreditar que uma das minhas misses  Brasil preferidas tinha partido tão cedo (59 anos) e resolvi esperar uma confirmação oficial para então escrever um post, que veio pelo site oficial do MISS BRASIL. O motivo do falecimento foi um AVC (Acidente Vascular Cerebral) ocorrido durante o período de recuperação de uma cirurgia feita em decorrência de uma trombose. Rejane Vieira era uma unanimidade no Mundo Miss no Brasil, uma das misses mais queridas pela sua impactante beleza e simpatia com os fãs. No MISS UNIVERSO 1972 ela conquistou o 2° lugar, e não vou afirmar que foi injusto pois a australiana Kerry Wells também era uma lindíssima.  A gaúcha  atuou como atriz e participou de algumas novelas de sucesso como Ti Ti Ti (1985), Man

Ana Paula Ottani - Miss Brasil Beleza Internacional 1989

 Em 1989 o estado de São Paulo conquistou o bicampeonato no Miss Brasil Beleza Internacional com a bela Ana Paula Ottani. O concurso foi  realizado na lendária Ilha Porchat, no município de São Vicente, litoral paulista. No Miss Beleza Internacional 1989, realizado em Kanazawa - Japão, a brasileira não obteve classificação e a vencedora foi a representante da Alemanha - Iris Klein. Resultado do concurso nacional* Estado Candidata P   São Paulo Ana Paula Ottani   Acre Débora Barth   Mato Grosso Adele Martins *Wikipédia Obs: a foto foi copiada do blog Rainhas da Beleza.

Lúcia Alexandrino - Miss Brasil Beleza Internacional 1969

Em 1969, o estado de São Paulo elegeu Maria Lúcia Alexandrino dos Santos, como sua representante no Miss Brasil. Lúcia Alexandrino, como ficou conhecida, chegou como favorita ao certame nacional ao lado da catarinense Vera Fischer. Traje típico no MB Seu desfile em traje de noite foi marcante, com destaque na mídia da época. Conquistou o 2º lugar e o direito de representar o país no Miss Beleza Internacional em Tóquio - Japão. A vencedora foi a maravilhosa Vera Fischer. Desfile em traje de noite no MB A belíssima paulista tinha uma missão difícil no certame internacional, tentar o bicampeonato para o Brasil, pois no ano anterior Maria da Glória Carvalho havia vencido o concurso. Classificou-se no top 15 e a vencedora foi Valerie Susan Holmes da Grã Bretanha. Às vésperas do MBI Biografia* Filha de Conceição Alexandrino Santos, Maria Lúcia nasceu no interior do Estado de São Paulo, no município de Lins. Foi namorada do escritor Mário Prata quando encenou a novela Estúpido Cupido. Casou-

Elizabeth Ferreira da Silva - Miss Brasil Beleza Internacional 1988

 O histórico "Miss Brasil da Ilha Porchat" em 1988 foi vencido pela representante de São Paulo - Elizabeth Ferreira da Silva.  Realizado no município litorâneo de São Vicente, o concurso era muito badalado e recebia grande atenção da imprensa. Valorizava-se muito a beleza física da candidatas, que eram coroadas de biquíni. No concurso Miss International 1988 a brasileira não se classificou no top 15, mas ganhou o prêmio de melhor traje típico.  Elizabeth Ferreira da Silva exemplifica o tipo de beleza valorizada pelos concursos no Brasil naquela década. Fonte: Wikipédia Missmemorabilia Pwiki I am the miss

A Miss mais bela do ano de 1961 - Marlene Schmidt

 O ano de 1961 é um dos mais fortes em relação a beleza das vencedoras do Grand-Slam, mas a beleza atemporal da representante da Alemanha no Miss Universo a faz a melhor entre as três. O único título do país no Miss Universo foi conquistado em 15 de julho no Miami Beach Auditorium na popular Miami - Flórida - EUA. Marlene Schmidt - Miss Universo 1961 Biografia*: Schmidt, uma refugiada na Alemanha Ocidental depois de fugir da nativa Alemanha Oriental, loira, de olhos negros, 1, 73 m e 24 anos, era uma engenheira elétrica que trabalhava numa fábrica de rádios por US$54 dólares semanais.  Entrou no concurso estadual de beleza de Baden-Württemberg motivada pelo carro oferecido como prêmio máximo, venceu e além do carro conquistou o direito de representar a região no Miss Alemanha, realizado em Baden-Baden. Marlene venceu o concurso nacional, onde foi considerada uma "figura de Botticelli", e foi para os Estados Unidos representar o país no Miss Universo. Competindo com outras 47