Pular para o conteúdo principal

Resenha: Miss Grand International 2016

Concurso: Miss Grand International
Data: 25 de outubro de 2016
Local:WestGate Resort & Casino
Cidade/País: LasVegas - Estados Unidos
Nº. Candidatas: 74
Vencedora: Ariska Putri

O Miss Grand International é um concurso que me despertou o interesse desde o o seu anúncio em meados de 2013 e a noite final daquela edição confirmou minhas expectativas. Meu interesse continuou no ano seguinte e em 2015 o concurso me conquistou de vez. Devido a isso minha expectativa para a edição deste ano era enorme, mas o quadro se alterou.
Primeiramente acredito que levar o concurso para Las Vegas - EUA foi um erro, pois a cidade sediou algumas edições recentes do Miss Universo e sabemos que não há nada muito atrativo lá para concursos de miss.
Mesmo a direção do concurso tendo afirmado que as atividades manteriam o padrão das edições anteriores realizadas na Tailândia, isso não aconteceu e tornou o concurso meio chato de se acompanhar virtualmente.
As fotos oficiais melhoraram, mas ainda estão longe do que vemos no Miss Universo (faço essa comparação porque é concurso que mais se assemelha ao Miss Grand International), em compensação o show de apresentação (realizado na noite anterior à final), foi muito bom, mostrando que teríamos uma final que manteria o nível das edições anteriores.
A noite final gerou muita expectativa nos fãs do concurso, pois a de 2015 foi incrível, mas a qualidade, infelizmente, não se manteve.
Tecnicamente, acredito que a iluminação foi um erro, deixando o palco mediano ainda menor com toda aquela vermelhidão e dourado. O número de abertura foi, como sempre, animado e agitou as torcidas. Figurino muito bonito também.
As chamadas dos tops foram boas, pois alguns erros de posicionamento dos nos impediu de ver a reação das candidatas e como o palco não era muito grande, as candidatas estavam muito próximas entre si.
O desfile em traje de banho foi bem coreografado, mas era tanto vermelho no palco (iluminação, imagens nas telas, biquíni) que, para mim, não funcionou bem.
Se não fosse pela iluminação (vermelha de novo) o desfile em traje de noite teria sido perfeito, pois as misses estavam lindas e elegantes e a trilha sonora foi perfeita.
O discurso sobre o tema do concurso "Stop the War" é um momento importante do concurso e é seu diferencial. Como sempre as mensagens foram positivas e emocionantes.
O top 5 formado por Porto Rico, EUA, Filipinas, Tailândia e Indonésia foi quase perfeito, pois acredito que a Miss Peru deveria ter entrado no lugar da estadunidense. A pergunta final foi polêmica, pois o conteúdo era o seguinte:

"Se você tivesse que escolher entre uma dessas pessoas para lhe ajudar a parar com as guerras e a violência, quem você escolheria: Donald Trump ou Hillary Clinton e por quê?"

As respostas provocaram reações diversas na platéia, mas as candidatas que optaram por Trump (EUA e Filipinas) foram vaiadas e as demais aplaudidas.
O desfile de despedida da miss reinante é sempre um momento lindo do concurso e desta vez não foi diferente. A troca da coroa é emocionante e para todos os presentes e também para quem assiste pela TV e Claire Parker estava lindíssima.
O anúncio do resultado foi emocionante, algo que infelizmente há anos não vejo no Miss Universo, pois a emoção no rosto das misses Filipinas, Tailândia e Indonésia era comovente.
A vencedora - Ariska Putri - da Indonésia estava linda  e era uma das favoritas. Ela me impressionou pela postura contida e elegante durante todo o concurso e acredito que terá um reinado marcante.
No geral eu gostei do concurso, mas esperava um pouco mais em relação a parte técnica e nível de beleza das candidatas que, na minha opinião, estavam aquém do ano passado.
A ausência de público tailandês também foi um ponto negativo, pois ao lado dos filipinos eles são os mais animados do mundo miss atualmente.
A boa notícia é que o concurso em 2017 será realizado no Vietnã e promete resgatar as atividades culturais externas que marcaram a edição de 2015.
Sobre a não inclusão da Miss Grand Brasil 2016 - Renata Sena - foi surpreendente, pois ela tem um dos rostos mais belos do concurso, mas para mim ficou evidente que seu atraso (ela chegou 2 dias após o início do concurso) e suas medidas fora do padrão que o concurso valoriza lhe custaram a classificação.
O diretor nacional da CNB (Concurso Nacional de Beleza), Henrique Fontes, detentor da franquia no Brasil, informou que em 2017 haverá um concurso específico para a escolha da representante brasileira e não mais a indicação direta da 2ª colocada do Miss Mundo Brasil.
Que venha um belo concurso no Brasil e no Vietnã!

Top 5 - Porto Rico, Filipinas, Indonésia, Tailândia e EUA




Comentários

Top 5 de acessos no mês

Kátia Nascimento Guimarães - Miss Brasil Beleza Internacional 1985

Kátia Nascimento Guimarães foi a sexta paulista a conquistar o título de Miss Brasil Beleza Internacional em 1985. Ela foi a primeira da "era ilha Porchart" concurso popular na época realizado na ilha homônima da cidade de São Vicente, litoral paulista. Kátia Nascimento Guimarães (ao centro) - MBI 1985 No concurso Miss International 1985, a linda paulista foi top 15. 

Nota de falecimento: Rejane Vieira da Costa (Goulart) - Miss Brasil 1972

Hoje o Mundo Miss está de luto. Infelizmente pela manhã recebi, através do grupo do Voy Miss Brasil On Board no Facebook, a notícia do falecimento da MISS BRASIL 1972 - Rejane Vieira (Goulart era seu sobrenome artístico). Confesso que relutei em acreditar que uma das minhas misses  Brasil preferidas tinha partido tão cedo (59 anos) e resolvi esperar uma confirmação oficial para então escrever um post, que veio pelo site oficial do MISS BRASIL. O motivo do falecimento foi um AVC (Acidente Vascular Cerebral) ocorrido durante o período de recuperação de uma cirurgia feita em decorrência de uma trombose. Rejane Vieira era uma unanimidade no Mundo Miss no Brasil, uma das misses mais queridas pela sua impactante beleza e simpatia com os fãs. No MISS UNIVERSO 1972 ela conquistou o 2° lugar, e não vou afirmar que foi injusto pois a australiana Kerry Wells também era uma lindíssima.  A gaúcha  atuou como atriz e participou de algumas novelas de sucesso como Ti Ti Ti (1985), Man

Fernanda Bôscolo - Miss Brasil Beleza Internacional 1980

 O 2º lugar no Miss Brasil 1980 deu a oportunidade da lindíssima paulista Fernanda Bôscolo de ser a Miss Brasil Beleza Internacional 1980. Fernanda Bôscolo no MB 1980 (divulgação) O concurso foi realizado no dia 04 de novembro em Tóquio, no Japão. Apesar de  ter uma beleza impactante, a paulista não foi classificada entre as três finalistas, numa edição muito estranha, que sequer teve chamada para semifinalistas. Biografia* Apesar de nascida na capital, Fernanda mudou-se para Santos aos 6 anos de idade, e o primeiro concurso que disputou foi aos 6 anos, o Mini Miss São Paulo, no programa de TV "Almoço com as Estrelas", competindo com mais de 500 crianças. Em 1980, antes de completar 18 anos de idade, e já morando em Santos, foi eleita Rainha das Praias Brasileiras, no Ilha Porchat Clube, e ganhou o direito de representar o país no Miss Tanga Internacional, realizado em Caracas, Venezuela. Mais de quarenta garotas ambicionavam o título, que acabou ficando em suas mãos, tendo s

Júlia Gama é a Miss Brasil 2020

O suspense acabou! Depois de semanas de especulações, o Mundo Miss brasileiro conheceu há pouco, numa transmissão pelo canal da organização U Miss Brasil no Youtube, a representante do país na próxima edição do Miss Universo. A gaúcha Júlia Gama teve seu nome ventilado há algumas semanas como possível indicada, mas por ser a Miss Brasil Mundo 2014, muito descartaram essa possibilidade. Ela se torna ao lado de Adriana Alves de Oliveira, as únicas brasileiras a representarem o Brasil no Miss Universo e no Miss Mundo. Júlia Gama - Miss Brasil 2020 Eu fiquei muito feliz com a indicação, pois ela é linda, inteligente e fala fluentemente espanhol, inglês e mandarim. Sua oratória é perfeita e acredito que isso contará muito ao seu favor no Miss Universo. Parabéns para Júlia Gama pela conquista e a organização pela indicação.  

Lúcia Alexandrino - Miss Brasil Beleza Internacional 1969

Em 1969, o estado de São Paulo elegeu Maria Lúcia Alexandrino dos Santos, como sua representante no Miss Brasil. Lúcia Alexandrino, como ficou conhecida, chegou como favorita ao certame nacional ao lado da catarinense Vera Fischer. Traje típico no MB Seu desfile em traje de noite foi marcante, com destaque na mídia da época. Conquistou o 2º lugar e o direito de representar o país no Miss Beleza Internacional em Tóquio - Japão. A vencedora foi a maravilhosa Vera Fischer. Desfile em traje de noite no MB A belíssima paulista tinha uma missão difícil no certame internacional, tentar o bicampeonato para o Brasil, pois no ano anterior Maria da Glória Carvalho havia vencido o concurso. Classificou-se no top 15 e a vencedora foi Valerie Susan Holmes da Grã Bretanha. Às vésperas do MBI Biografia* Filha de Conceição Alexandrino Santos, Maria Lúcia nasceu no interior do Estado de São Paulo, no município de Lins. Foi namorada do escritor Mário Prata quando encenou a novela Estúpido Cupido. Casou-