Pular para o conteúdo principal

Resenha: Miss Universo 1986

Boa tarde para todos!
Hoje dou início a uma nova seção no blogue intitulada "Resenha". Nela vou relatar minhas impressões e opinião sobre a noite final dos concursos de miss.
Atualmente com o Youtube, quem é fã do certames de beleza tem acesso há uma imensidão de vídeos, a maioria com boa qualidade de áudio e imagem.
Vou iniciar a seção com o Miss Universo 1986*:

Data: 21/07/1986
País sede: Panamá
Cidade sede: Cidade do Panamá
Quantidade de candidatas: 77
Local da final: Atlapa Convention Center
Apresentação: Bob Barker e Mary Frann
Vencedora: Miss Venezuela - Bárbara Palacios

O concurso se inicia com a tradicional parada das nações, onde as candidatas se apresentam individualmente. Nesse momento já é perceptível o favoritismo de algumas, entre elas a Miss Brasil - Deise Nunes, que aparece em primeiro plano na abertura.
Em seguida temos o tape das misses em traje de banho pelas belas paisagens do país, onde a média final das preliminares é mostrada, algo que deveria retornar ao concurso.
O anúncio do top 10 segue padrão dos anos anteriores com trechos de músicas de sucesso da época, com destaque para o belo traje padronizado usado pelas candidatas em tons de azul, verde e rosa. A ordem de chamada é a seguinte: Brasil, Colômbia, Porto Rico, EUA, Zaire, Suíça, Venezuela, Polônia, Finlândia, Chile. Um belo grupo, mas com ausência de asiáticas, fato comum na época, e que só ira se reverter em 1988 (esse fato comento quando for a vez do Miss Universo daquele ano).
As entrevistas individuais seguem o padrão Bob Barker (informal e divertido) e nessa etapa os destaques são as misses Venezuela, Polônia e EUA.
O desfile em traje de banho (maiôs azuis belíssimos) se realiza em um cenário que remete ao povos ameríndios e nessa etapa os destaques são, novamente, as misses EUA, Venezuela e Polônia (mostrando ser a inspiração da miss Macedônia Grand 2015).
Em seguida temos uma apresentação musical dispensável, com as misses fantasiadas de felinos e a Miss Universo 1985 - Deborah Carthy-Deu realizando uma dança solo. Enquanto as semifinalistas se preparam para a próxima etapa, são exibidas imagens das paisagens do belo país sede.
Antecedendo o desfile em traje de noite temos uma apresentação folclórica, algo típico dos concursos nos anos 1980.
O desfile em traje de noite tem a participação das litle sisters (irmãzinhas), que eu adoro e acho que deveriam voltar. Os destaques são as misses Venezuela, EUA e Colômbia. Essa sempre foi minha etapa preferida nos concursos. Os vestidos mais bonitos na minha opinião foram das misses Porto Rico, EUA e Venezuela. É engraçado ver a pequena confusão que as crianças fazem a saída de cada uma delas.
O top 5 é anunciado na seguinte ordem: EUA, Finlândia, Polônia, Venezuela e Colômbia. É triste neste momento ver a decepção estampada nos rosto da nossa linda representante. Acho que ele merecia entrar no lugar da finlandesa.
Em seguida temos o "final look", onde a miss Colômbia é a mais aplaudida.
Antes do desfile de despedida da Miss Universo 1985, temos um tape onde são mostrados os prêmios que a vencedora irá receber (o casaco de pele de vison pegaria muito mal hoje).
Deborah Carthy-Deu se despede lindamente usando um vestido verde-água belíssimo e se dirige ao saudoso trono (poderia voltar também).
Bob Barker anuncia com sua usual rapidez a classificação final:

5º lugar: Finlândia
4º lugar: Polônia
3º lugar: Colômbia
2º lugar: EUA
Miss Universo 1986: Venezuela

A vitória da venezuelana é um pouco criticada no Mundo Miss brasileiro. Sinceramente lembro que na época eu gostei e hoje, mais experiente nesse mundo, consigo enxergar nela o profissionalismo e preparação que só se tornaram comum entre a maioria das candidatas ao título a partir da década de 2000.
O Miss Universo 1986 é um dos meus preferidos de todos os tempos e recomendo a vocês que assistam (link na postagem).
Abraços!

Bárbara Palacios - Miss Universo 1986


Programa do concurso


*Dados consultados nos sites Pageantopolis e Wikipédia



Comentários

Top 5 de acessos no mês

Nota de falecimento: Rejane Vieira da Costa (Goulart) - Miss Brasil 1972

Hoje o Mundo Miss está de luto. Infelizmente pela manhã recebi, através do grupo do Voy Miss Brasil On Board no Facebook, a notícia do falecimento da MISS BRASIL 1972 - Rejane Vieira (Goulart era seu sobrenome artístico). Confesso que relutei em acreditar que uma das minhas misses  Brasil preferidas tinha partido tão cedo (59 anos) e resolvi esperar uma confirmação oficial para então escrever um post, que veio pelo site oficial do MISS BRASIL. O motivo do falecimento foi um AVC (Acidente Vascular Cerebral) ocorrido durante o período de recuperação de uma cirurgia feita em decorrência de uma trombose. Rejane Vieira era uma unanimidade no Mundo Miss no Brasil, uma das misses mais queridas pela sua impactante beleza e simpatia com os fãs. No MISS UNIVERSO 1972 ela conquistou o 2° lugar, e não vou afirmar que foi injusto pois a australiana Kerry Wells também era uma lindíssima.  A gaúcha  atuou como atriz e participou de algumas novelas de sucesso como Ti Ti Ti (1985), Man

A Miss mais bela do ano de 1961 - Marlene Schmidt

 O ano de 1961 é um dos mais fortes em relação a beleza das vencedoras do Grand-Slam, mas a beleza atemporal da representante da Alemanha no Miss Universo a faz a melhor entre as três. O único título do país no Miss Universo foi conquistado em 15 de julho no Miami Beach Auditorium na popular Miami - Flórida - EUA. Marlene Schmidt - Miss Universo 1961 Biografia*: Schmidt, uma refugiada na Alemanha Ocidental depois de fugir da nativa Alemanha Oriental, loira, de olhos negros, 1, 73 m e 24 anos, era uma engenheira elétrica que trabalhava numa fábrica de rádios por US$54 dólares semanais.  Entrou no concurso estadual de beleza de Baden-Württemberg motivada pelo carro oferecido como prêmio máximo, venceu e além do carro conquistou o direito de representar a região no Miss Alemanha, realizado em Baden-Baden. Marlene venceu o concurso nacional, onde foi considerada uma "figura de Botticelli", e foi para os Estados Unidos representar o país no Miss Universo. Competindo com outras 47

Mexicana Andrea Meza vence a 69ª edição do concurso Miss Universo

 O México conquistou sua 3ª coroa de Miss Universo na noite do último domingo com a bela Andrea Meza. Considerada uma das favoritas por missólogos de diversos países, a eleição da mexicana não agradou os fãs do concurso que acusam a emissora de TV Telemundo de "comprar" o título, já que a miss não foi considerada a melhor na pergunta final. Andrea Meza - Miss Universo 2020 Os fãs consideram que a Miss Brasil 2020, Julia Gama, foi a melhor e merecia o título. Julia Gama ficou em 2º lugar no concurso Eu ainda não revi o concurso com o olhar de missólogo, mas acredito que se há tanto descontentamento, é porque realmente o resultado não foi justo. Durante a semana a imprensa especializada mundial noticiou que a mexicana pudesse ser casada (o que é proibido pela organização do Miss Universo) e que estivesse grávida. Andrea Meza na foto promocional que causou a polêmica  Nada se comprovou, pois foi apurado a imagem que circula na internet é de uma campanha promocional de turismo de

Elizabeth Ferreira da Silva - Miss Brasil Beleza Internacional 1988

 O histórico "Miss Brasil da Ilha Porchat" em 1988 foi vencido pela representante de São Paulo - Elizabeth Ferreira da Silva.  Realizado no município litorâneo de São Vicente, o concurso era muito badalado e recebia grande atenção da imprensa. Valorizava-se muito a beleza física da candidatas, que eram coroadas de biquíni. No concurso Miss International 1988 a brasileira não se classificou no top 15, mas ganhou o prêmio de melhor traje típico.  Elizabeth Ferreira da Silva exemplifica o tipo de beleza valorizada pelos concursos no Brasil naquela década. Fonte: Wikipédia Missmemorabilia Pwiki I am the miss

Fernanda Bôscolo - Miss Brasil Beleza Internacional 1980

 O 2º lugar no Miss Brasil 1980 deu a oportunidade da lindíssima paulista Fernanda Bôscolo de ser a Miss Brasil Beleza Internacional 1980. Fernanda Bôscolo no MB 1980 (divulgação) O concurso foi realizado no dia 04 de novembro em Tóquio, no Japão. Apesar de  ter uma beleza impactante, a paulista não foi classificada entre as três finalistas, numa edição muito estranha, que sequer teve chamada para semifinalistas. Biografia* Apesar de nascida na capital, Fernanda mudou-se para Santos aos 6 anos de idade, e o primeiro concurso que disputou foi aos 6 anos, o Mini Miss São Paulo, no programa de TV "Almoço com as Estrelas", competindo com mais de 500 crianças. Em 1980, antes de completar 18 anos de idade, e já morando em Santos, foi eleita Rainha das Praias Brasileiras, no Ilha Porchat Clube, e ganhou o direito de representar o país no Miss Tanga Internacional, realizado em Caracas, Venezuela. Mais de quarenta garotas ambicionavam o título, que acabou ficando em suas mãos, tendo s