Pular para o conteúdo principal

Final do Miss Universo 2011: primeiro olhar

O título do meu post pode parecer estranho, mas tem uma justificativa: ainda quero assistir a transmissão feita pelo sinal internacional (reprise TNT), pois optei pela Band e acredito que foi um programa um pouco diferente.
As constantes intervenções de Adriane Galisteu, apesar de boas, deixou a transmissão as vezes confusa e acredito que algumas pequenas partes não foram exibidas.
A começar pelos cenários, achei todos muito bonitos, principalmente o que trazia a ponte estaiada, cartão postal da capital paulista.
As trilhas sonoras foram bem escolhidas, mas senti falta no "the last look" e no anúncio final da tradicional trilha exibida nas edições anteriores, pois dá uma emoção única.
As atrações musicais Claúdia Leite e Bebel Gilberto foram gratas surpresas, assim como os dançarinos com coreografias contagiantes.
A escolha do top 16 foi um dos melhores dos últimos anos, sem surpresas desagradáveis e conforme a competição se desenvolvia era nítido que o concurso desejava uma miss com um perfil diferenciado, pois as "potências" Venezuela e Porto Rico foram eliminadas do top 10.
O figurino inicial das misses estava bonito e funcionou bem com o cenário, mas em relação aos anos anteriores achei que estavam muito simples, mas não comprometeram.
Não gostei da identificação inicial das misses ao vivo, prefiro a pré-gravação com trajes típicos como nos últimos anos, mas funcionou com a participação das torcidas.
Senti falta de uma homenagem mais completa às 60 edições do concurso e também da presença das Misses Universo brasileiras, Ieda Maria Vargas (1963) e Martha Vasconcellos (1968).
Em relação a Miss Brasil, Priscila Machado, torci muito por ela e sua 3a. colocação foi muito merecida, pois estava lindíssima e mostrou que sua preparação e vontade fariam a diferença na final.
Gostei muito da escolha da Miss Angola, Leila Lopes, como Miss Universo 2011, pois ela foge do padrão "latina over"  tão valorizado na última década no concurso, que chegou a ser "incorporado" pelas vencedoras de 2005 (Canadá) e 2007 (Japão), e deve entrar para a história como uma das mais meigas e elegantes já eleitas.
Quero muito assistir a reprise que normalmente o canal TNT transmite durante a semana para ter um olhar mais completo, mas gostei bastante do que vi e acho que a edição de 2011 foi bem melhor que as de 2009 e 2010.

O belíssimo top 05 do Miss Universo 2011

 


Comentários

Top 5 de acessos no mês

Nota de falecimento: Rejane Vieira da Costa (Goulart) - Miss Brasil 1972

Hoje o Mundo Miss está de luto. Infelizmente pela manhã recebi, através do grupo do Voy Miss Brasil On Board no Facebook, a notícia do falecimento da MISS BRASIL 1972 - Rejane Vieira (Goulart era seu sobrenome artístico). Confesso que relutei em acreditar que uma das minhas misses  Brasil preferidas tinha partido tão cedo (59 anos) e resolvi esperar uma confirmação oficial para então escrever um post, que veio pelo site oficial do MISS BRASIL. O motivo do falecimento foi um AVC (Acidente Vascular Cerebral) ocorrido durante o período de recuperação de uma cirurgia feita em decorrência de uma trombose. Rejane Vieira era uma unanimidade no Mundo Miss no Brasil, uma das misses mais queridas pela sua impactante beleza e simpatia com os fãs. No MISS UNIVERSO 1972 ela conquistou o 2° lugar, e não vou afirmar que foi injusto pois a australiana Kerry Wells também era uma lindíssima.  A gaúcha  atuou como atriz e participou de algumas novelas de sucesso como Ti Ti Ti (1985), Man

A Miss mais bela do ano de 1961 - Marlene Schmidt

 O ano de 1961 é um dos mais fortes em relação a beleza das vencedoras do Grand-Slam, mas a beleza atemporal da representante da Alemanha no Miss Universo a faz a melhor entre as três. O único título do país no Miss Universo foi conquistado em 15 de julho no Miami Beach Auditorium na popular Miami - Flórida - EUA. Marlene Schmidt - Miss Universo 1961 Biografia*: Schmidt, uma refugiada na Alemanha Ocidental depois de fugir da nativa Alemanha Oriental, loira, de olhos negros, 1, 73 m e 24 anos, era uma engenheira elétrica que trabalhava numa fábrica de rádios por US$54 dólares semanais.  Entrou no concurso estadual de beleza de Baden-Württemberg motivada pelo carro oferecido como prêmio máximo, venceu e além do carro conquistou o direito de representar a região no Miss Alemanha, realizado em Baden-Baden. Marlene venceu o concurso nacional, onde foi considerada uma "figura de Botticelli", e foi para os Estados Unidos representar o país no Miss Universo. Competindo com outras 47

Mexicana Andrea Meza vence a 69ª edição do concurso Miss Universo

 O México conquistou sua 3ª coroa de Miss Universo na noite do último domingo com a bela Andrea Meza. Considerada uma das favoritas por missólogos de diversos países, a eleição da mexicana não agradou os fãs do concurso que acusam a emissora de TV Telemundo de "comprar" o título, já que a miss não foi considerada a melhor na pergunta final. Andrea Meza - Miss Universo 2020 Os fãs consideram que a Miss Brasil 2020, Julia Gama, foi a melhor e merecia o título. Julia Gama ficou em 2º lugar no concurso Eu ainda não revi o concurso com o olhar de missólogo, mas acredito que se há tanto descontentamento, é porque realmente o resultado não foi justo. Durante a semana a imprensa especializada mundial noticiou que a mexicana pudesse ser casada (o que é proibido pela organização do Miss Universo) e que estivesse grávida. Andrea Meza na foto promocional que causou a polêmica  Nada se comprovou, pois foi apurado a imagem que circula na internet é de uma campanha promocional de turismo de

Elizabeth Ferreira da Silva - Miss Brasil Beleza Internacional 1988

 O histórico "Miss Brasil da Ilha Porchat" em 1988 foi vencido pela representante de São Paulo - Elizabeth Ferreira da Silva.  Realizado no município litorâneo de São Vicente, o concurso era muito badalado e recebia grande atenção da imprensa. Valorizava-se muito a beleza física da candidatas, que eram coroadas de biquíni. No concurso Miss International 1988 a brasileira não se classificou no top 15, mas ganhou o prêmio de melhor traje típico.  Elizabeth Ferreira da Silva exemplifica o tipo de beleza valorizada pelos concursos no Brasil naquela década. Fonte: Wikipédia Missmemorabilia Pwiki I am the miss

Kátia Nascimento Guimarães - Miss Brasil Beleza Internacional 1985

Kátia Nascimento Guimarães foi a sexta paulista a conquistar o título de Miss Brasil Beleza Internacional em 1985. Ela foi a primeira da "era ilha Porchart" concurso popular na época realizado na ilha homônima da cidade de São Vicente, litoral paulista. Kátia Nascimento Guimarães (ao centro) - MBI 1985 No concurso Miss International 1985, a linda paulista foi top 15.